Arquivo

Posts Tagged ‘filmes’

prayers for bobby, um filme indicado ao emmy

19 julho, 2009 6 comentários

photo1501

Assistindo séries ao longo de anos sempre foi possível pegar algumas mensagens, as que eu sempre levarei comigo são aquelas que dizem para você ser você mesmo, sabe, valores morais e coisas do tipo. As séries também sempre deixaram claro que a mentira é como um buraco e quanto mais você cava (mente) fica mais difícil é sair, então é mostrado que conviver com a mentira é horrível (e realmente é) e o mesmo eu posso dizer da omissão, esconder a verdade, esconder seus sentimentos e esconder acima de tudo quem você é, é algo corrosivo, sofrível e indigno. Bobby Griffith pensava assim também e Bobby Griffith está morto.

O fato de “Prayers for Bobby” ser um filme feito em cima de fatos reais torna tudo ainda mais sóbrio, emocionante e tenso. Bobby era gay. Bobby não era aceito pela mãe. Bobby se suicidou.

A construção da história de Bobby Griffith foi perfeita. Gay não aceito pela mãe encontra o amor de sua vida, mas não consegue ser feliz e deixar de pensar que Deus não o amava e que ele era indigno de viver (idéias de sua mãe) e com isso acaba saltando de uma ponte, morrendo na hora estraçalhado por um caminhão de 18 rodas.

Os anos 70/80 devem ter sido horríveis neste aspecto, a “peste gay” (AIDS) pelo mundo, muitos dos gays não tem o apoio de suas famílias e ainda por cima ouvindo que eram indignos do amor de Deus.

“Before you echo ‘Amen’ in your home or place of worship, think and remember… a child is listening.”

“Prayers for Bobby” não conta somente a história de Bobby, conta também a história de uma mãe e também, porque não, Deus.

Sigourney Weaver chega à perfeição e dá de presente ao telespectador uma das melhores atuações que eu já vi em toda minha vida. Ela é fantástica e faz nós colher Mary Griffith, personagem que em muitos momentos deveria ser odiada, mas que de vilã em potêncial, acaba virando uma das mocinhas da história.

Seguindo o molde do que foi dito no primeiro parágrafo sobre Bobby, sobre Mary eu posso dizer que ela também enfrentou seus dilemas e mudou seus preceitos. A maior culpada da morte de Bobby Griffith foi sim sua mãe, Mary Griffth, ela ajudou a cavar a cova de seu próprio filho. Sua idéia de negação, de não amor e indignidade entraram em Bobby pequenas, mas cresceram e fizeram tudo acabar como acabou.

Após o morte de Bobby é como se começasse um segundo filme, uma espécie de redenção de Mary Griffth. A personagem foi consumida pela culpa, mas ao invés de ficar feliz por ver a personagem sofrer, eu chorei (e qualquer um que assistir irá chorar), mães são mães e não importa o que elas façam e como elas façam, elas fazem pensando no melhor para seus filhos. Mary tinha uma conduta, para ela aquilo estava certo, afinal, ela seguiu o livro, o grande livro que atravessa séculos, a Bíblia. Mas depois ver que nem tudo é como ela havia interpretado e que além do mais, a Bíblia é um livro escrito por mortais, eu poderia escrever uma, você outra e Mary Griffth também, ela muda sua conduta.

E é também após o suicídio de Bobby que o chororo começa. O desespero de Sigourney Weaver emprestado para personagem é tocante. Todas as cenas em que a personagem aparece após a morte de seu filho são perfeitas e dignas. Desde o momento em que ela recebe a notícia da morte até, passando por quando ela sonha que ele estava vivo, até a última cena, aonde Mary abraça um garoto na parada gay enquanto ela desfilava pela PFLAG. Mas mais emocionante mesmo é o discurso da personagem quando ela aparece na televisão. Uma cena digna e perfeita, ali aconteceu a real redenção de Mary Griffth.

“Prayers For Bobby” é um filme todo emoções, indico a todos (e um conselho, assistam com um lenço do lado) e com Sigourney Weaver em sua melhor forma, simplesmente perfeita. Não é à toa (que por ser um filme feito para televisão) que tanto o filme quanto a atriz estão concorrendo ao Emmy deste ano, a minha torcida é total para Sigourney!

—–

Pois é, o foco do blog é séries, eu sei, mas mudar um pouco os moldes de tudo não faz mal a ninguém e eu nem fui tão longe, o filme está concorrendo ao Emmy u.u

Anúncios