Início > gossip girl, private practice, séries > Gossip Girl (2×16) e Private Practice (2×12)

Gossip Girl (2×16) e Private Practice (2×12)

Gossip Girl, 2×16: You’ve Got Yale

Eu gosto de Gossip Girl, mas ela deve exercer um efeito alucinógeno em mim que me faz após algumas horas do episódio, mudar de opinião. Quando eu termino de assistir o episódio, tudo é tão bonito, mas depois de algumas horas minha visão do episódio fica turva e eu não acho tudo tão bonito assim. Cheguei a esse pensamento após ler o review de Thais Afonso em seu blog e concluo que Gossip Girl deve alucinar a todos mesmo, não só a mim ou ela. 

Ainda após ver o episódio e agora, algumas horas depois, ainda acho que Blair e Lily continuam e continuarão a ser as melhores personagens e com as melhores histórias da temporada. Blair que vira e mexe tenta bater seu recorde de maldades. Desta vez ela foi até castrada por sua nova professora e a coitada levou uma bela facada nas costa da nova personagem! Mas agora pelo menos, a guerra começou! Já Lily fez uma bela parceira com Chuck e provavelmente uma das cenas mais, digamos, fortes da série. Lily quase foi estuprada pelo Tio Jack e só foi salva porque Chuck a salvou. Com isso provavelmente a participação do tio Jack terminou. Ele até que era um bom personagem. E eu fico pensando: Será que se a Lily realmente fosse estuprada, a personagem não ganharia uma nova carga dramática, fato que o que seria bom para a série?

Enquanto Blair, Lily e Chuck tinham boas tramas, os demais fizeram o de sempre, deixaram todo o trabalho nas costas deles. Eu gosto da Serena, principalmente da sua versão má, mas o roteiro não anda à ajudando. Dan nunca tem uma boa história e é tão babão que eu não ligo. E nem seu possível envolvimento com à professorinha me animou.

Private Practice, 2×12: Homeward Bound

Private Practice é outra série que eu gosto e me faz sentir o mesmo efeito que Gossip Girl, só que ao contrario. Quando acabo de assistir mais um episódio das aventuras da Addison, fico quase que puto da vida. Ver no que a personagem se tornou me irrita, mas após isso começo a analisar, ver os casos médicos e o desenrolar da vida dos outros personagens. No fim das contas acabo amando tudo e dando um desconto para a Addie.

É fato e só poderá constatar isso quem acompanha a série. Addison virou uma bitch, talvez a maior bitch das séries e não aquela bitch de Grey’s que dormiu com o melhor amigo do marido. A personagem troca de homem assim como troca de calcinha. Primeiro Pete, depois o policial Kevin e agora o único personagem com que ela havia se desentendido, Dr. Waytt. Addison não se torna uma bitch por ter namorado três personagens, mas sim por descartá-los com a maior facilidade e toda vez ir contra seus princípios, principalmente quanto ao Waytt. Mas também vamos combinar que em Private Practice, Shonda não está sabendo criar bons Mc’s, por isso a Addison vive experimentando. E apesar de tudo ainda gosto da personagem, não tanto assim e nem vejo a série por sua causa.

Na verdade assisto Private Practice por quatro personagens: Dra. Turner, Dra. Bennet, Dr. Freddman e Dra. King. E é tão estranho chamá-los de doutores, estou tão acostumado a falar: Violet, Naomi, Cooper e Charlotte; ou ainda para as duas primeiras somente Vie e Nay. Private Practice tem isso e mais que em qualquer outra série, alguns de seus personagens nos acolhem e nos fazem ficar extremamente familiarizados com eles.

Esse episódio como exemplo soube emocionar, dois casos tão complexos e emocionantes. Primeiro o do pai e da filha que não poderiam se aproximar. E ainda por cima garotinha estava morrendo. O que um pai que criou sua filha sozinho faz nessas horas? Já o segundo caso foi da mãe de família que era lésbica. Ela se causou com um homem e constituiu família, mas não consegui esconder seus desejos. Foi tudo tão emocionante e real neste caso, que não tem como deixar de se emocionar. Ainda tivemos Charlotte que tinha de desligar os aparelhos que mantinham seu pai vivo! É por essas e outras que estou amando essa série e aguardo ansiosamente a cada episódio.

  1. Rodrigo
    25 janeiro, 2009 às 12:52 pm

    estuprada*

  2. 25 janeiro, 2009 às 1:08 pm

    Eu sempre tenho que voltar e corrigir a palavra, Rodrigo, se não sai errada também. Maurício, é acho que não tem jeito, eu fico lá me divertindo, mas aí começo a pensar criticamente pra fazer o review, e sempre acabo chegando a conclusão que só as tramas de Blair, Chuck e Lily se sustentaram (e no episódio 14, a trama de Lily estava péssimamente escrita, e no episódio 15, a de Blair e Chuck estava insuportável, e tendo metade do mundo desgostado dos episódios, acho que nossa teoria está provada). E o problema é que às vezes nem mesmo a trama é lá essas coisas, mas Westwick, Meester e Rutherford sustentam a situação e carregam a série nas costas porquê são os únicos com carisma. Honestamente, se fosse qualquer outra pessoa (menos Blair) na cena da tentativa de estupro, acho que eu nem ficaria tão tensa. Fiquei bastante, porquê era Lily. O quê me fez pensar que talvez não adiantasse tanto darem melhores tramas pro resto do elenco. Se fosse Blake ou Jessica no lugar da Kelly, não teria tanto impacto, pelo menos para mim. Fora o trio, os únicos do elenco que eu considero minimamente competentes e carismásticos são a Amanda Setton (Penelope) e Taylor Monsen (que anda subaproveitada). Na primeira temporada eu gostava do Matthew Settle, mas não sei o quê aconteceu com ele, ele parece um boneco de cera ultimamente. Tinha dito que ele tinha reagido a notícia sobre a Lily ter tido um filho dele sem muito vigor, mas aquilo empalidece comparada a reação dele com o ataque. Sério, aquele “Oh My God, Lily” dele me faz rir toda vez que eu lembro. Um cara tenta estuprar a mulher que você ama há uns vinte anos, é de pensar que o cara ficaria furioso e iria querer dar uma surra no Jack, ou pelo menos ia ficar muito preocupado, mas a voz dele é tão vazia de emoção, que em comparação com a raiva que o Westiwick mostra, é cômica.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: